Crônicas, Amor & Sexo

Virei a Página, Meu Bem

Eu achei um pen drive antigo, enquanto arrumava uma gaveta cheia de lembranças antigas. Nele, em meio a quinhentos mil arquivos, achei algumas fotos e vídeos nossos. E até revivi a gente, por alguns instantes.

Comecei a pensar em nós e, então, lembrei que tu sumiu me causando controvérsias: uma parte de mim te queria, mas uma outra me lembrava que eu não podia te ter e nem deveria te querer por perto.

Foi um sábado, quando eu te disse para sermos sinceros, que não havia necessidade de mentiras e tu me pediu pra que confiasse em ti, que tu estava sendo verdadeiro. Fui pra casa leve como uma pluma ao vento. Tu era o vento me guiando, me levando adiante. Não esperava que acontecesse o que aconteceu.

Apesar de ter funcionado por um tempo, acho que meu erro foi te levar pra casa e tentar ter algo sério. Mostrei minha morada mais secreta e quis fazer dela tua: te ofereci meu coração. Mas, tu decidiu ir embora, assim, do nada. E me desmantelou.

Tuas mentiras foram tão ridículas (é… eu fiquei sabendo delas depois) quanto a possível cara de superior que deve ter feito ao escrever a mensagem que me mandou, que falava sobre como eu era “especial” e que, por isso, precisávamos encerrar ali.

Tu foi, de alguma forma, maduro em admitir que não dava pra continuar a partir dali. Mas, porra, sms? Tu termina assim com alguém que acha especial e que sabe que tá louca por ti? Não vou nem falar das mentiras. Que sacanagem!
Quantas ligações perdidas no teu celular? Quantas mensagens pelas tuas redes sociais? Não importa. Tu não me responderia ainda que fossem milhares.

O que eu fiz foi tentar escrever uma resposta, que mais tarde reli e achei tão idiota quanto minha paixão por ti na época: falei sobre como tu era um babaca, sobre tudo que eu odiava em ti (fiz uma lista) e resumi falando que tu não havia me acrescentado nada, que seria tão fácil te esquecer quanto foi rápida a tua entrada na minha vida.
Nunca acreditei completamente nessas palavras. Mas, fiz delas meu mantra. E nunca mais te procurei. Todo dia fingia que elas eram minha verdade absoluta. E, com o tempo, se tornaram mesmo.

Imagem: We Heart It
Imagem: We Heart It

Hoje entendo que tu tava certo: eu era – e continuo sendo – especial, meu bem. Que bom que encerramos por ali. Há algumas semanas tu veio me procurar, mas preferi te ignorar. Nada como o silêncio. E fiz isso não porque queria te ensinar alguma coisa, mas porque já não faz diferença alguma.

Virei a página.  😉

20 anos. Gaúcha, webwriter e futura publicitária. Louca por desafios, intensa e impaciente. Ama muito, odeia muito. Às vezes, ao mesmo tempo. Acredita que o amor, principalmente o próprio, supera tudo. |
Instagram: @brutesch

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *