Crônicas, Amor & Sexo

Respeito é Bom: Eu, Sua Mãe e Sua Irmã Gostamos

Respeito é Bom: Eu, sua mãe e sua irmã gostamos

Lá estava eu, semana passada, às seis da manhã indo pra faculdade. Milagrosamente, o ônibus estava nem vazio nem cheio. Algumas poucas pessoas estavam de pé, entre elas eu e um infeliz, que devia ter seus vinte e poucos anos.

Vou começar falando sobre minha vestimenta: legging, blusa de manga 3/4 com uma gola pouco decotada e casaco amarrado na cintura. Cá entre nós, a roupa que qualquer pessoa usa não dá razão pra alguém “comer” alguém com os olhos, né?! Ter o bom senso de não olhar inconvenientemente para os outros é parte da educação que vem de casa. Mas, mesmo assim, cito que roupa usava para mostrar que mesmo com uma “vestimenta mais reservada” e com “nada a mostra”, nós mulheres sofremos assédio sim.

O cara ficou me olhando dos pés à cabeça, durante um bom tempo. De primeira, achei que pudesse estar me equivocando, mas não. Não fosse ele descer em seguida, eu teria perguntado se estava – perdoem o termo – cagada, para ele ficar me olhando daquele jeito. Juro que defendo o direito da gente olhar para onde quiser, mas tudo tem limite. O comportamento do cara foi nojento, assim como o de qualquer homem sem noção que faz o mesmo.

Se tem uma palavra para definir como me sinto toda vez que isso acontece é invadida. Eu não quero que me olhem e fiquem imaginando intimidades com meu corpo, assim, descaradamente. Eu não quero fazer parte disso. Não estou consentindo com esses olhares e expressões faciais facilmente decifráveis e ofensivas. Fico extremamente constrangida, desconfortável e irritada, assim como muitas mulheres que passam por isso todo dia.

Homens, vocês podem olhar. A gente também olha. Mas, vocês não têm o direito de nos desconsertar com esses olhares. Se percebemos e nos sentimos mal, é por que alguma coisa está bem além do limite e até da educação que vocês deveriam ter recebido, mas pelo jeito não tiveram. Tenham bom senso! Vocês podem elogiar também, mas, atenção: elogiar é diferente de constranger. Não nos chamem de “gostosas” ou qualquer outra coisa que só a quem damos liberdade pode nos chamar assim. Respeitem nosso espaço, nosso corpo, nosso bem estar psicológico e físico!

Já faz algum tempo que decidi não calar. Ao ser assediada, nós mulheres não deveríamos ficar constrangidas, vocês é que deveriam ter vergonha! Se forem me ofender com um comportamento abusado, podem se preparar para as pessoas que olharão quando eu soltar um sonoro e bom “vai tomar no cu, seu tarado”! E, moças, não exitem em falar e soltar toda essa indignação pelos abusos – pequenos ou grandes – que sofrerem.

Aos que enxergaram no meu relato apenas um cara habitualmente olhando para uma mulher, eu digo que não é “apenas”. Essa autoconfiança masculina para constranger alguém que nem se conhece é a base de uma cultura que oprime e ensina que as mulheres devem simplesmente lidar com o desconforto e adversidades por serem mulheres. Que ensina que abusos não serão evitados ou punidos, pois, já que é algo tão natural homens nos “comerem” com os olhos, tudo bem! (OI????) Não! Não é natural! Vocês precisam de tratamento, se pensam assim. São idiotas, no pleno sentido da palavra. Não conseguem descentrar a questão de si, entender o quanto nos ofendem  e o quão repugnantes se tornam perpetuando pensamentos e comportamentos como esse.

Pensem antes de olhar ou abrir a boca à mulher ao seu lado. Respeito é bom e eu, a sua mãe e sua irmã gostamos! 😉

20 anos. Gaúcha, webwriter e futura publicitária. Louca por desafios, intensa e impaciente. Ama muito, odeia muito. Às vezes, ao mesmo tempo. Acredita que o amor, principalmente o próprio, supera tudo. |
Instagram: @brutesch

Posts relacionados

Se Você Soubesse Se você soubesse que, toda vez que decide partir, meu coração emudece, minha garganta fecha, meus olhos se umedecem. Minha cama fica fria, vazia, sem ...
Por Que o Amor Virou Um Campo de Batalha? O amor - aquele que fica depois que a paixão passa, depois que o querer estar junto a todo momento se esvai, depois que o estômago para de sentir aque...
Virei a Página, Meu Bem Eu achei um pen drive antigo, enquanto arrumava uma gaveta cheia de lembranças antigas. Nele, em meio a quinhentos mil arquivos, achei algumas fotos e...

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *