Empoderamento Feminino

O Bendito Fruto: O Direito Da Sexualidade Exercido Pelas Mulheres

Projeto o Bendito Fruto

“Um projeto fotográfico pessoal, autoral, artístico. Um filho inesperado, que só tem me dado orgulho e me surpreendido cada vez mais.”

Essas foram as palavras usadas por Maiquel Borges quando pedimos que ele definisse O Bendito Fruto. E foi assim que nosso bate-papo começou…

Projeto o Bendito Fruto
Créditos: Maiquel Borges

“Quando juntei a melancia e ela, percebi que podia usar outras mulheres e outras frutas. Comecei a pensar esses ensaios, programar eles e executar a ideia.”

Concebido durante um banho (ô consagrado momento para ideias geniais, hein?), O Bendito Fruto nasceu das reflexões de Maiquel sobre sua carreira e a fotografia. Ele acabou tendo (perdoem o trocadilho) a bendita ideia de fotografar duas coisas: sua amiga e uma melancia. Não preciso dizer que deu mais que certo, né?!

De mulheres reais para mulheres reais

“Tento fotografar pessoas reais, com histórias de vida legais e com uma beleza peculiar, não necessariamente ligada ao padrão estético. Mulheres que se disponham a se entregar pro ensaio, que sejam livres na frente da câmera, seja com ou sem roupa. […] Converso com as candidatas e com aquelas que consigo estabelecer uma conversa paralela, convido para fotografar.”

Exceto por algumas modelos que posaram no começo do projeto e que, explica Maiquel, foram fotografadas por pura empatia e química, todas as mulheres são “comuns”, convidadas e voluntárias. A maneira como Maiquel pensa em cada detalhe do ensaio, conversa e trata cada fotografada é incrível.

Do primeiro flash à ultima mordida da fruta

Maiquel contou para gente como funciona, normalmente, os ensaios em geral. Ele conta que elas costumam se sentir muito melhores depois dos ensaios. Não duvidamos, né?!

“O começo de toda sessão é muito parecido: elas ficam tímidas. A maioria tem nóias, preocupações com o corpo, detalhes que acham inadequados. Mas, todas chegam a um momento em que entendem que podem confiar em si e em mim. Trato elas diferente de como um homem costuma tratar uma mulher, as trato humanamente. Elas se sentem muito melhores depois de fotografar.”

A repercussão do projeto pelo direito da mulher de ser e se mostrar

Créditos: Maiquel Borges

O projeto tem ganhado a cada dia mais espaço e conquistado mais admiradores. Quer saber por quê? Porque o projeto vai bem além da proposta de um ensaio sensual. Mais do que isso, O Bendito Fruto é uma forma de mulheres comuns encararem seus anseios e preocupações com o corpo e mostrarem para si – e para quem mais quiser apreciar – a leveza e a beleza de cada detalhe único e próprio que seu corpo carrega. Elas se despedem das roupas para vestirem apenas a autoconfiança que todas deveríamos ter em contrariar um mundo que ensina que mulheres não devem exercitar sua sexualidade e que, se o fizerem, não passaram de vulgares objetos.

“A maioria esmagadora das mulheres é criada sob um regime muito ditatorial e machista e acabam perdendo seu brilho natural. Toda mulher nasce graciosa e com uma beleza muito pessoal. E a gente ensina, infelizmente, a elas que se explorarem e gostarem de si mesmas é errado. Criamos traumas tão grandes nas nossas mulheres que mesmo as mais belas têm medos, depressão, insegurança, baixa auto estima… “

Fotografo Maiquel Borges
Fotógrafo Maiquel Borges (Fonte: Reprodução do Facebook)

Maiquel ainda afirma que se sua filha, atualmente com oito anos, quiser fazer um ensaio sensual quando for maior de idade, dará todo apoio. Aliás, se sua mãe quisesse fazer, também apoiaria. Pois, acredita que todo ser humano pode e deve explorar sua sexualidade, sua autoconfiança.

O que toda mulher não deveria deixar de ouvir

O fotógrafo falou um pouco sobre o respeito que precisamos ter com todas as mulheres, independente de quererem ou não mostrar seus corpos. Ele também deixou um recado super bacana para nós, mulheres normais, com insatisfações, imperfeitas, sem photoshop, feitas de carne e osso, com medos, anseios e receios…

“Para as mulheres que acreditam em Deus: Deus não erra. Ele faz todas as coisas de forma perfeita. Não importa se teu corpo é alto, baixo, magro, gordo, escuro ou claro. Aceita ele do jeito que ele é. Se tu quiser mudar ele, faça por vontade própria, não para fazer a vontade dos outros. Teu corpo é só teu.”

“Para as mulheres que não acreditam em Deus: acreditem em si. Vocês estão sozinhas o tempo todo, não há ninguém por vocês. Então, façam o que vocês quiserem, pelo que vocês quiserem e a hora que vocês quiserem. Ninguém é dono de vocês.”

Fazer essa matéria foi uma experiência muito bacana, que só agregou conteúdo e referência a todos. Eu e as gurias, aqui do blog, agrademos muito a tua disponibilidade e receptividade em conversar com a gente, Maiquel! 😉

Para a galera que quer conhecer mais sobre O Bendito Fruto, basta acompanhar o projeto pelas redes sociais: Facebook e Instagram.

20 anos. Gaúcha, webwriter e futura publicitária. Louca por desafios, intensa e impaciente. Ama muito, odeia muito. Às vezes, ao mesmo tempo. Acredita que o amor, principalmente o próprio, supera tudo. |
Instagram: @brutesch

Posts relacionados

Marcha das Mulheres | Women’s March on Washi... O movimento internacional Women's March on Washington (Marcha das Mulheres em Washington) foi uma manifestação que ocorreu no final de semana passado ...
O Que Gisele Bündchen Pode Nos Ensinar? Além de ser nossa musa das passarelas, a Gisele tem muito a nos ensinar! A Gisele Bündchen é um tipo de super exemplo. Além de linda e simpática,...
Quebrando Tabus: 3 Esportes Para Mulheres Praticar... Não é novidade que as pessoas -  principalmente as próprias mulheres - adoram rotular tudo entre "de menino" e "de menina". Parece até brincadeira de ...

4 thoughts on “O Bendito Fruto: O Direito Da Sexualidade Exercido Pelas Mulheres”

    1. Oi, Ananda!
      Na verdade, quem escreveu o post por esse prisma foi eu, Bruna. Aqui no blog, eu e a Pâmela (minha parceira) compartilhamos de ideias diferentes. Por isso, nenhuma fala pela outra.

      Vou ler o artigo com prazer. Cada um tem sua forma de analisar e fazermos esse intercâmbio é um exercício lindo, ótimo para reflexão. Defendo muito o direito da mulher exercer sua liberdade, e esse foi o foco central do texto: a liberdade da mulher que se sente empoderada e quer posar. O que em nenhum momento exclui a objetificação ou visa ferir quem pensa assim.

      Agradeço tua contribuição, obrigada! Espero te ver por aqui mais vezes, comentando, argumentando ou simplesmente lendo mais textos.

      Beijão 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *