Glossário de Moda

A

ABA: Borda do chapéu ou parte pendente das roupas.

ABOTOADURA: É um pregador que prende o punho de camisas. Normalmente, uma das extremidades tem um pingente arredondado, oval ou retangular, enquanto a outra tem uma trava atrás.

ABRIGO: Conjunto de calça e blusa de mangas compridas, normalmente feito de moletom ou náilon. Também é conhecido como training, jogging e moletom. Apesar de ter sido criado para práticas esportivas, o abrigo foi adotado como um tipo de roupa casual.

ACABAMENTO: Série de processos por que passam um tecido ou produto para se obter uma melhor aparência e sensação tátil.

ACESSÓRIO: Elemento usado como complemento ao vestuário, como bolsas, cintos, joias, etc.

AGASALHO: Refere-se a um blusão, casaco ou alguma outra peça que proteja do frio.

ALFAIATARIA: Oficina em que são confeccionadas as peças habitualmente usadas em situações sociais por homens. O terno se originou da palavra ALFAIA, árabe, que significa “coisas móveis”, como mobiliário, louças e roupas. Atualmente este termo também é utilizado para designar um estilo, onde a construção das roupas são estruturadas.

ALGODÃO: Fibra de origem natural vegetal. É talvez a fibra mais utilizada no mundo. Sua qualidade depende da finura, pureza, brilho, cor. É facilmente lavável, fresca, flexível, e não acumula estática.

ALGODÃO EGÍPCIO: É a fibra de algodão mais nobre do mundo. Sua característica é a fibra longa e fina que proporciona um produto com durabilidade maior e toque superior. Ela só pode ser encontrada nas margens do Rio Nilo no Egito, onde o clima e a fertilização do solo são únicos no mundo.

ALGODÃO PIMA COTTON: Fibra de algodão com toque sedoso e pouca produção de pilling (bolinhas). Este algodão pode ser encontrado no Peru, onde sua colheita é manual e sua qualidade superior, e nos Estados Unidos, onde sua colheita é mecânica e sua qualidade é inferior ao do algodão do Peru.

ALPARGATA (espadrille): Calçado do tipo sapatilha, feita em brim ou lona, com solado de corda ou borracha que pode ser preso ao pé por meio de tiras de couro, corda ou pano. Teve origem entre os trabalhadores das docas, na França (espadrille) e na Espanha (alpargata). Foi moda na década de 1980. As alpargatas podem ser usadas tanto por homens como por mulheres. Pode servir também como substituto da bota no traje típico dos gaúchos.

ALTA COSTURA: Na prática, o termo costuma ser utilizado para caracterizar roupas femininas sofisticadas e originais. Se seguido à risca, é uma expressão que é protegida juridicamente pela Câmara Sindical de Alta Costura Francesa e foi criada para determinar o tipo de roupa feita por empresas parisienses que cumprem uma série de pré-requisitos relacionados ao tipo de empresa e de fabricação dos produtos.

ANABELA: Calçado com salto inteiriço da metade da sola para o calcanhar. Na frente, o sapato é mais baixo que sua parte anterior.

ANIMAL PRINT: Estampa de animais, como couro de cobra píton, leopardo, zebra e onça.

ANKLE BOOT: Botas de cano bem curto ou sem cano. Em tradução livre do inglês, o termo significa “bota de tornozelo”.

ANORAQUE: Casaco com capuz, que normalmente tem uma abertura com zíper na parte da frente, bolsos utilitários e ajuste na cintura ou nos quadris.

ARRASTÃO: Meia-calça que parece uma rede de pesca, feita em malha e com ligamentos bem abertos.

ART DÉCO: Surgida entre 1909 e 1939, estética inspirada em culturas antigas como a egípcia e a chinesa, e que apresentou motivos e formas geométricas aliadas ao industrial, ao cosmopolita e ao exótico. A Art Déco foi adotada não apenas na moda, mas também na arquitetura, nas artes decorativas, na fotografia e no cinema.

ASSIMETRIA: Falta de simetria. Falta de harmonia.

B

BABADO: Pedaço de tecido franzido que é costurado a peças de roupa para enfeitá-las. Ele pode ser ou não do mesmo tecido e cor da peça em que é aplicado.

BABY LOOK: Camisetas femininas na altura da cintura e ajustadas ao corpo.

BABY-DOLL: Roupa de dormir composta por duas peças, como short e blusa, blusa e calcinha ou vestido e calcinha, feitos de tecidos leves e normalmente enfeitados com fitas, bordados e laços.

BAINHA: Dobra da barra do tecido de uma calça, saia, vestido ou casaco.

BALONÊ: Saia ou blusa que tem a barra virada e pregada na parte de dentro, formando um desenho parecido com o de um balão.

BANDANA: Pedaço de tecido quadrado de tamanho médio que pode ser usado na cabeça, carregado nos bolsos de paletós ou calças ou amarrado no pescoço.

BARRA ITALIANA: Barra com a dobra virada para o lado de fora da calça.

BÁSICO: Estilo de vestir-se. Representa também a linguagem dos tecidos e peças clássicas em uma coleção de produtos.

BATA: Blusa curta ou longa que fica folgada no corpo. Quando tem o corte mais reto também é chamada de túnica, mas a bata normalmente é mais curta.

BIRKENSTOCK: A típica Sandália ecológica, desenvolvida nos anos 60 por Karl Birkenstock. A sandália tem uma sola semelhante com as curvas da base do pé, feita de cortiça e látex.

BLAZER: Casaco masculino ou feminino feito de tecido nobre, com botões na parte da frente.

BLUSA CANGURU: Blusa com capuz.

BLUSÊ: A palavra vem do francês “blouse”. Uma blusa molinha, com uma sobra de tecido perto da cintura que é franzida com um nó ou costura e continua em cima dos quadris.

BOCA-DE-SINO: Calça com boca bem larga, que perto da barra tem vários centímetros de largura a mais que no início das coxas.

BODY: Espécie de maiô. É uma peça justa ao corpo e feita com fio de elastano.

BOHO: Deriva da palavra em inglês bohemian, ou boêmio em português. Reflete um estilo não convencional, boêmio. E a boêmia simboliza uma vida alegre e despreocupada, com pouco ou nenhum trabalho. Também inclui referências ciganas.

BOINA: Espécie de boné, sem costura ou pala, geralmente feito de lã, crochê ou tricô.

BOLERO: Casaco feminino curto (no máximo até a altura do busto) usado aberto.

BOLSA BAGUETE: Modelo feminino retangular com uma alça curta (para ser levada debaixo do braço) e fechada por uma fivela grande, normalmente com uma logomarca estampada.

BOLSO-FACA: Bolso cortado na diagonal.

BOMBER JACKET: Como a jaqueta perfecto, é uma peça feita de couro ou outros tecidos, ampla, normalmente com elástico nos punhos e barra, mangas largas e fechada com zíper frontal. Foram adaptadas das jaquetas usadas pelos pilotos da Força Aérea Real Britânica.

BOXER-SHORT: Modelo de short como aqueles usados por boxeadores, com pequenas fendas laterais e cós com elástico.

BOYFIT: Modelagem ampla que sugere uma peça “roubada” do guarda-roupa masculino. As calças foram a primeira a ganhar o título, seguidas dos paletós e blazers de proporções maiores, como os popularizados pela estilista inglesa Stella McCartney.

BRAGUILHA: Abertura vertical na parte da frente de shorts, bermudas ou calças masculinas ou femininas, fechada por zíper ou botão.

BRIM: Tecido resistente de linho ou algodão.

C

CACHARREL: Blusa de malha fria e gola rulê.

CACHE-COEUR (lê-se “cachequér”): Blusa feminina cruzada na frente e amarrada na cintura ou no busto. Em tradução livre do francês, significa “esconde-coração”.

CACHECOL: Tipo de echarpe feita de lã, seda ou outro tecido, liso ou com estampas, que se enrola ao pescoço.

CAFTAN: Túnica larguinha que pode ser usada como vestido ou blusa.

CALÇA BOYISH: Também chamada de “jeans do namorado”, por ser reto e folgado.

CALÇA CAPRI: Modelo de calça feminina de comprimento na altura dos tornozelos.

CALÇA CARGO: Com inspiração militar, ela tem modelagem ampla e vários bolsos, grandes ou pequenos. O que normalmente a caracteriza são os bolsos nas laterais, na altura dos joelhos.

CALÇA CORSÁRIO: É ajustada nas pernas e tem comprimento mais curto que a capri, entre os joelhos e os tornozelos

CALÇA FLARE: Flare, em inglês, significa “espalhar”. A calça flare “se espalha”, alarga, no final da perna. É a calça boca de sino ou pata de elefante.

CALÇA FUSEAU: Calça feminina de malha que é colada ao corpo e tem um pedal que passa sob o arco do pé.

CALÇA JODHPURS: Modelo de origem indiana, bem solta, pregueada nos quadris e ajustada nas pernas.

CALÇA PANTACOURT: Calça pantacourt é a pantalona curta.

CALÇA PANTALONA: Peça ajustada na cintura e nos quadris, mas reta e ampla nas pernas, com comprimento que chega até o chão.

CALÇA SKINNY: Jeans que leva elastano na composição de modelagem ajustada na cintura, quadris e pernas.

CAMBRAIA: Tecido leve e fino de algodão ou linho, usado na confecção de roupas íntimas, lenços, roupas de bebê, blusas femininas e camisas sociais masculinas.

CAMISA: Camisa (no Brasil) ou camisola (em Portugal) é uma peça de roupa da indumentária humana, masculina, feminina, infantil ou bebê. Existem vários tipos de camisa e devem ser adaptados a cultura, clima e preferências estatísticas sugeridas pela moda.

CANGA: Pedaço de tecido grande e retangular que se usa amarrado, normalmente por cima do traje de praia.

CANUTILHO: Pequeno aviamento de formato tubular que é muito usado em bijuterias e aplicação em roupas

CANVAS: Tecido muito resistente, fabricado a partir do linho, algodão ou fibra sintética.

CAPA: Tipo de casaco, sem mangas ou com abertura para os braços, que pode ser curto ou longo. Muito popular na década de 60. Também feito em tecidos brilhosos para a noite, compondo looks para festas.

CAPUZ: Parte de uma capa, agasalho ou blusa que cobre a cabeça.

CARDIGÃ: Casaco militar tricotado com lã penteada, com debrun de pele ou galões, de origem inglesa. Usado inicialmente pelo exército britânico na Guerra da Crimeia e recebeu o nome em homenagem ao Conde de Cardigan, James Thomas Brudenell. Foi adaptado para o sportwear no século 20, sem a gola. Tornou-se popular entre tricoteiras sendo produzido com abotoamento central e decote V e mangas compridas. Nas décadas de 20 e 30, Chanel incorporou a um conjunto duas peças, com cardigã, suéter e saia.

CASACO: Peça feminina ou masculina de mangas longas, fechada por zíper ou botões.

CASHMERE (lê-se “caximir”): Lã fina e macia. O termo também é usado para nomear estampas aplicadas em tecidos que são obtidos a partir dessa lã.

CASIMIRA: Tecido grosso de lã.

CASINHA DE ABELHA, CASA DE ABELHA OU NINHO DE ABELHA: Tecido em que o entrelaçamento dos fios de urdume e a trama criam em forma de colméia.

CASUAL WEAR: Do inglês casual (informal) e wear (usar). Estilo de roupa simplificada, à vontade, utilizada para ficar em casa ou ir a lugares informais. Jeans, malhas, jaquetas, etc.

CAVALO: Parte da calça ou bermuda abaixo da cintura em que se encontram as duas pernas da peça.

CETIM: Tecido que representa uma superfície lisa, acetinada, lustrosa e outra opaca. Este tecido normalmente apresenta alta densidade de urdume.

CHAMBRAY: Mescla de fio de algodão branco e índigo. A versão clássica é o azul.

CHAMOIS (lê-se “chamoá”): Couro fino e macio.

CHEMISIER: Vestido reto que é como uma camisa masculina mais longa, fechado na frente por botões.

CHIFFON: Tecido leve e enrugado, normalmente fabricado a partir da seda.

CIGARRETE: Tem modelagem ajustada ao corpo, barra afunilada e comprimento pouco acima dos tornozelos.

CLUTCH: Bolsa pequena ou carteira de mão.

COLEÇÃO: Conjunto de pacas que um estilista, desenhista propõe para conceitos e características específicas.

COLETE: Peça sem mangas, com abertura na parte da frente e que normalmente é usada por cima de regatas, camisetas ou camisas. De alfaiataria, a peça é uma das partes que compõe o terno.

CORPETE: Peça feminina que se ajusta ao peito e à cintura e pode ou não ter amarração com fita.

CORSELET (lê-se “corselê”): Sinônimo de corpete ou corselete.

CORSET (lê-se “corsê”): Palavra francesa que, em português, significa espartilho. É uma peça íntima que é composta de tecido firme, para afinar a cintura.

COTTON: Termo em inglês que significa algodão.

COTURNO: Calçado pesado que cobre pés e tornozelos e é fechado por cordões.

CREPE: Tecido leve de seda ou lã fina de textura áspera. Há diversos tipos de crepe (como o crepe georgette ou crepe da China), que recebem nomes diferentes conforme variação de peso e qualidade.

CROCHÊ: Trançado feito com uma agulha especial que tem um gancho na ponta.

D

DECOTE CANOA:  Gola cortada de um ombro ao outro, que deixa as escápulas de fora. Coco Chanel cortou camisetas masculinas de listras horizontais para fazer o decote canoa e então entrou na moda. Também é chamado de bateau (barco em francês).

DECOTE CORAÇÃO: Decote feminino, normalmente um pouco mais profundo que o canoa, cortado como as curvas da parte de cima de um coração.

DECOTE IMPÉRIO: É preso logo abaixo do busto e solto embaixo.

DECOTE NADADOR: Na frente há duas alças e atrás elas se unem. Nas costas, lembra a parte de trás de um maiô de natação.

DECOTE PRINCESA: Blusa ou vestido ajustado, com recorte arredondado e romântico no busto, com costuras verticais.

DEGRADÊ: Efeito que diminui a intensidade de uma cor aos poucos numa mesma peça. É comum em lentes de óculos.

DÉLAVÉ: Processo de lavagem estonada com aplicação de clareamento e alvejamento, deixando o tecido com um visual mais macio que o simples estonado.

DESTROYED: Processo de lavagem parecida com a estonagem, porém utiliza-se produtos que corroem a fibra levemente, deixando um aspecto meio “destruído” justificando assim o nome destroyed que no inglês significa destruído.

DENIM: Sarja de algodão fabricada com fios tingidos de cor azul bem forte (índigo) e fios na cor natural, branco.

DOCKSIDE: Calçado rasteiro masculino criado em 1980 pela Sebago, nos Estados Unidos, como opção diferenciada para os calçados náuticos (boat shoes). O modelo foi muito difundido e hoje é feito por várias marcas, inclusive em versões femininas. A grande maioria é pespontada no cabedal, têm cadarço trespassado no entorno do pé, e fechamento com laço.

DRAPEADO: Efeito produzido por dobras e pregas de um tecido.

DRY FIT: Conceito utilizado para definir o tecido feito de poliéster ou poliamida com ou sem elastano, ou que, devido a sua estrutura e a sua titulagem do fio, proporcionam um conforto propício para o esporte que exigem alta capacidade de transpiração. Um produto com conceito DRY FIT dá ao tecido capacidade de tirar a umidade do corpo e transporta-la para fora do tecido. Em português o significado caimento seco, justificando assim seu beneficio.

E

ECHARPE: Lenço longo e estreito usado no pescoço.

ECOLÓGICO: Estilo alimentado por uma nova dimensão ética do dia a dia. Reciclado, biodegradável, reutilizável são conceitos ligados a este estilo.

ELASTANO, SPANDEX: Fibra artificial proveniente dos poliuretanos mais conhecidas comercialmente como lycra. Fibra química de maior elasticidade, capaz de esticar e retornar ao seu estado inicial sem danificações. Atualmente utilizado na mistura com outras fibras como algodão, poliéster, proporcionando conforto, elasticidade.

ENGANA-MAMÃE: Tipo de maiô que é inteiriço na frente, mas tem as laterais recortadas e, de costas, parece um biquíni.

ENVELOPE: Ver “saia envelope”

ESCARPIM (lê-se “escarpã): Sapato feminino com saltos altos, bico fino e um pouco cavado na altura dos dedos.

ESPARTILHO: Sinônimo de corset.

ESPINHA DE PEIXE: É o nome dado a um dos tipos de tecelagem em sarja, em que a trama é trabalha de tal forma que imita a espinha de um peixe.

ESTILO: Manifestações pessoais, individuais ou grupais, exteriorizada através do modo de se vestir ou de se expressar. Segue características próprias ou influenciadas por uma época.

ESTOLA: Agasalho retangular, geralmente usado em volta dos ombros e cruzado sobre o peito. A estola ingressou na moda na década de 50, geralmente usada à noite sobre vestidos longos. Hoje é um clássico do closet, que pode ser coordenado também com looks mais despojados conforme o material de confecção. Tecido retangular que funciona como um xale.

ETIQUETA: A palavra etiqueta veio do francês etiquette, que designava, como hoje, um pequeno pedaço de papel escrito que era afixado a um saco ou a um pacote para identificar o seu conteúdo. Seu uso primitivo era nos sacos de dinheiro, nos grandes maços de papeis, nos fardos e nas trouxas de roupas. Com o desenvolvimento da indústria têxtil, a partir do século XIX, passou a figurar também em cada peça de roupa, a fim de identificar o seu fabricante.

ÉTNICO: Estilo ligado a aspectos culturais de determinado lugar, como a Índia ou a África.

EVASÊ: Que tem a forma de um “a” mais alargado na parte de baixo. As saias evasê são justas na cintura e mais largas na extremidade. Corte de roupas que alarga sutilmente em direção à parte inferior.

F

FASHION: Palavra inglesa que significa moda.

FASHIONISTA: Quem acompanha a moda e segue as tendências.

FENDA: Aberturas das roupas.

FIBRA COMPACTADA: Processo industrial que deixa o fio com maior regularidade e sem aspereza.

FIBRA CURTA: Fibras que se encontram na menor escala do diagrama de longitude de fibras,

FIBRA LONGA: Fibras que se encontram na maior escala do diagrama de longitude de fibras.

FIBRAS TÊXTEIS ARTIFICIAIS: São fornecidas pela natureza, devendo passar por artifício que lhes dêem características de fibras têxteis. Ex. a madeira ou bambu, ambos podem dar origem a viscose.

FIBRAS TÊXTEIS NATURAIS: São aquelas fornecidas praticamente prontas pela natureza bastando limpa-las de impurezas: Ex. lã, algodão.

FIBRAS TÊXTEIS SINTÉTICAS: São aquelas cujas macromoléculas são obtidas através de reações químicas. Ex. do petróleo pode-se chegar à fibra de poliéster.

FIL A FIL: Tecido de amarração tafetá onde o urdume e/ou trama são dispostos alternadamente com fio branco e outro colorido.

FIO: Nome genérico do conjunto de fibras unidas por torção. Os fios podem ser de fibras curtas, longas ou de filamentos contínuos.

FIO 80/2: São dois cabos retorcidos entrelaçados, de algodão de fibra longa e fina.

FLAT: Sapatos sem saltos, como rasteiras e sapatilhas.

FLUO: A palavra vem de fluorescente, que na moda é um adjetivo usado para caracterizar cores luminosas e fortes, como verde-limão, amarelo, rosa, verde, roxo e laranja.

FOLK: Diz respeito ao folclore e à tradição. Na moda, significa uma mistura de tecidos mais rústicos, franjas e bordados à mão que remetem a diversas etnias.

FORRO: Tecido que fica debaixo de outro mais fino ou transparente em uma saia, blusa ou vestido para não mostrar o corpo.

FRENTE ÚNICA: Também é chamada de decote halter (frente-única em inglês). Modelo que tem a frente presa ao pescoço, deixando as costas nuas, em blusas e vestidos. Na década de 30 foi muito usada em roupas de noite e moda praia. Blusa ou parte de cima de um vestido em que as alças se encontram atrás do pescoço, deixando as costas de fora.

FUXICO: Pedaço de tecido cortado em formato de círculo e franzido à mão.

G

GABARDINE: Tecido com trama diagonal que é feito de lã ou algodão e algum outro fio impermeável, por isso é muito usado em roupas ou capas contra a chuva.

GALOCHA: Tipo de bota impermeável feita de borracha ou PVC que tem sido fabricada com estampas e cores fortes para ser usada por adultos e crianças.

GALÃO: Fita não muito larga com a qual se decoram as dobraduras, as bordas de peças de vestuário.

GET THE LOOK: O termo vem do inglês e, na tradução, a ideia é “consiga o look” ou “copie o look”.

GODÊ: Pedaço triangular de tecido, mais largo na parte inferior, costurado a uma saia, vestido ou casaco para aumentar a roda. Os godês vêm sendo usados na costura desde o século passado.

GOLA: Parte de uma blusa ou vestido que envolve o pescoço.

GOLA ITALIANA: Gola de colarinho mais amplo, para ser usada com gravatas mais grossas e nós mais volumosos, já que a gola é menor e curta.

GOLA MARINHEIRO: Gola longa dobrada na parte de trás e caída nas costas. Na parte da frente é fechada em V.

GOLA ROLÊ/RULÊ/CACHAREL: Gola alta e justa em malha ou tricô, muito usada na década de 60. Criada pelo estilista francês Jean Cacharel e então ficou conhecida por gola Cacharel.

GORGORÃO: Tecido encorpado de seda ou lã que forma pequenos desníveis na trama.

H

HAUTE COUTURE: O termo, em francês, se refere a peças femininas únicas, feitas à mão pelos melhores profissionais, sob medida, com os mais nobres tecidos e apenas na cidade de Paris, na França. Literalmente, significa alta-costura. E não existe alta-costura fora da capital francesa. Nos Estados Unidos, por exemplo, é usada a expressão high fashion e, na Itália, alta moda. Em 1910, foi criada a chambre syndicale de la Haute couture, um órgão sindical que regula, defende e define quem são os estilistas que realmente fazem alta-costura. Hoje em dia, no entanto, a expressão se popularizou e, muitas vezes, é usada para se referir a algo de altíssima qualidade, mas não necessariamente de haute couture.

HELANCA: Marca de um fio enrugado e elástico. Nos anos 1960 foi muito usado em maiôs e faixas de cabelo.

HI-LO (lê-se “rái-lou”): Gíria da moda para definir o estilo de alguém ou de alguma produção que combina peças caras e baratas. A palavra é uma abreviação dos termos high (que significa alto em inglês) e low (baixo), que são combinados para dar ideia de uma mistura de roupas e acessórios caros e baratos.

HOT PANTS: Expressão em inglês usada nos anos 1970 para caracterizar shorts femininos que normalmente eram usados com botas longas e casacos compridos. No Brasil, o termo é usado como sinônimo de short.

HYPE (lê-se “ráipe”): O termo em inglês significa “promover usando publicidade exagerada” e “criar interesse por meio de métodos extravagantes ou dramáticos”. Na moda, hype é aquilo que, em bom português, está dando o que falar. É o assunto do momento. Adjetivo para algo que esteja fazendo grande sucesso em determinado momento.

I

ILHÓS: Palavra usada para designar tanto orifício por onde é passado um cordão quanto a peça de metal que passa por ele.

ÍNDIGO: Pigmento azulado usado para tingir o brim, que é o tecido com que se faz o jeans.

INDUMENTÁRIA CLÁSSICA GREGA E ROMANA: A maioria das peças usadas na indumentária clássica grega e romana eram feitas de material de tecido, resultado de processos que exigiam mão de obra intensiva. os tecidos eram muito valorizados e considerados preciosos para serem desperdiçados com cortes e modelagens. Os tecidos eram dobrados, enrolados e presos com grampos ou franzidos no corpo. Tantos gregos quanto romanos exibiam uma profusão de pregas e dobras.

J

JACQUARD: Tecido ou tricô com desenhos coloridos ou geométricos, que se destacam em um fundo de outra cor.

JAPONA: Paletó grande e largo, feito de feltro ou lã, inspirado no casaco de marinheiros e pescadores franceses do século 19.

JAQUETA PERFECTO: Peça feita de couro ou outros tecidos, ampla, normalmente com elástico nos punhos e barra, mangas largas e fechada com zíper frontal.

JARDINEIRA: Calça, bermuda ou saia que tem um pedaço do mesmo tecido, quadrado, costurado na cintura, com alças que se encontram na parte de trás. É usada sobre alguma camiseta.

JEANS: Calças de brim tingidas com “índigo blue”.

JEANS WEAR: Linha de vestuário surgida em meados dos anos 50, expressando a cultura norte-americana. São utilizados o brim e o índigo blue.

JEGGING: Mistura de calça legging com jeans. A calça é justa como legging, com as características da calça jeans: cós, costura dupla pespontada, barra e/ou bolso faca.

JÉRSEI: Tecido de malha muito fino e macio.

K

KILT: Peça de tradição escocesa. É uma saia de cerca de sete metros, pregueada e arrematada por fivelas ou alfinetes.

KNICKERBOCKERS: Palavra inglesa que designa um calção folgado, franzido abaixo do joelho e preso com um botão ou fivela. Usado pelos homens desde o século 18, passou a ser parte integrante dos trajes femininos para esportes na década de 60 e início da de 70, quando voltou à moda promovido por Yves Saint-Laurent. São chamados apenas knickers.

L

LÃ: Conjunto de fibras naturais de origem animal.

LADYLIKE: Visual com ar vintage e superfeminino. Tem cintura marcada, laços, babados e estampas florais, desde que delicadas. Saias rodadas, evasê e lápis com cinto fininho são a cara desse estilo.

LAISE: Tecido leve com pequenos furos e bordados que formam desenhos delicados.

LAPELA: Parte do tecido do decote uma blusa, casaco ou vestido que é dobrada sobre si mesma.

LBD: A sigla vem do inglês little black dress. Em português, é o clássico e básico vestidinho preto.

LEGGING: Calça justa de malha. Desde a Idade Média, as leggings são empregadas como proteção contra o frio, sendo usadas por crianças e jovens desde o século 19. Até os anos 60, eram associadas às práticas esportivas. Foram adotadas por vários movimentos da moda, como o futurismo, mas foi mesmo a partir da década de 80, com a disseminação do visual esportivo nas ruas, que as leggings surgiram como peça de moda. Calça feminina de malha que é colada ao corpo, sem pedal, com comprimento até os tornozelos.

LINGERIE: Este termo começou a ser usado para a roupa íntima, principalmente o conjunto de calcinha e sutiã. O termo vem do francês linge, que significa lavável. As primeiras peças de roupas intimas datam de 2000 A.C, pelas mulheres de Creta.  Já o conceito de lingerie, surgiu no final do século XIX, quando a pioneira Lady Duff Gordon desenvolveu peças íntimas menos rígidas como os corselets usados na época. O primeiro sutiã foi patenteado por Mary Phelps Jacob, no século XX. Nas décadas de 50 e 60 as lingeries se tornaram glamorosas, já que o nylonestava em alta, calcinhas, sutiãs, meias, tudo leve e fácil de lavar. Os anúncios de publicidade e filmes de Hollywood ajudavam na sensualidade.

LINHA A: Palavra que caracteriza um look com ombros estreitos, cintura pouco baixa e saia evasê. Também dá nome a saias e vestidos que sejam mais abertos a partir da cintura.

LINHO: Nome dado a qualquer tecido feito de fibra extraída da planta de mesmo nome. Forte e de superfície lisa, o linho varia de peso e textura.

LOAFER: Palavra inglesa que se refere à mocassim. Os loafers são mais estruturados, geralmente com recortes e tassel na frente. O weejum é um tipo de loafer.

LOOK: Do inglês, olhar, é o estilo, o resultado da soma de roupa, acessórios, atitude, que se percebe numa única olhada. Significa visual, comportamento, aparência de uma pessoa, devido a sua maneira de vestir.

LOOKBOOK: Material produzido pela marca afim de divulgar as peças da coleção de determinada temporada. Essas imagens costumam ter fundo neutro e pouco efeito de luz, pois é preciso estar visível o tipo de material, cor, detalhe, dentre outros.

LONGUETE: Vestido com comprimento logo abaixo dos joelhos.

LUREX: Fio de alumínio recoberto de plástico com aspecto metálico e muito brilho.

LYCRA: Nome de uma marca de elastano desenvolvido pela DuPont.

M

MACACÃO: Peça ampla e inteiriça, que cobre corpo, pernas e braços.

MADREPÉROLA: Matéria-prima encontrada na parte interna de conchas que é aplicada em acessórios.

MAGENTA: O magenta é uma cor-pigmento primária e cor-luz secundária, resultado da mistura das luzes azul e vermelha. Sua cor complementar é o verde. Ao contrário das demais cores, esta cor não está em uma única faixa de ondas no espectro; a luz magenta tem ondas tanto de vermelho quanto de azul na mesma quantidade.

MANGA BUFANTE: Parte da blusa que cobre os braços e é franzida nas duas extremidades da manga.

MANGA JAPONESA: É um prolongamento bem curto da manga da blusa ou do vestido.

MANGA MORCEGO: Tem um prolongamento do tecido entre os braços e o corpo, formando algo parecido com as asas de um morcego.

MANGA TRÊS QUARTOS: Tem o comprimento entre o punho e o cotovelo.

MANTÔ: Termo genérico para qualquer tipo de casaco de inverno usado por homens e mulheres por cima das roupas.

MAQUINETADO: Armações diversas, elaboradas que formam desenhos, texturas e figuras geométricas, e que se repetem ao longo do tecido. Em inglês dobby.

MATELASSÊ: Efeito acolchoado obtido por meio da costura de linhas verticais e horizontais que formam quadrados (às vezes com enchimento) na superfície do tecido.

MARSALA: Trata-se de um tom da cartela de cores Pantone eleita como a cor do ano. O nome veio de um vinho italiano e a cor é um revival do “burgundy” de outras temporadas. Marsala vale para uma cartela meio vinho, meio marrom, meio vermelho e é uma aposta certeira desta estação.

MAXIBOLSA: Adjetivo que caracteriza bolsas femininas casuais de tamanho bastante grande.

MAXIPULL: Um pull mais longo, até a altura das coxas.

MEIA-PATA: Sapato com salto atrás e um solado espesso na parte da frente.

MERCERIZADO: Processo de acabamento em que o tecido é tratado com soda cáustica e tensão, de modo a se obter um acabamento sedoso, com mais brilho e que aumenta a resistência do tecido.

MICROFIBRA: O termo microfibra é concedido a fios sintéticos que são formados por fios extremamente finos. Estes filamentos podem ser 60 ou 70 vezes mais finos que um fio de cabelo. Os tecidos como microfibra, possuem como características, o toque sedoso, vestem muito bem, alta resistência, baixo abarrotamento, são leves, macios e permitem que o suor evapore (transpira). Podem ser de poliéster, poliamida, acrílica ou viscose. A característica principal é a de não amassar.

MIDI: Comprimento em que a barra das saias ou vestidos fica abaixo do joelho, na altura da canela.

MILITAR: Inspirado nos uniformes dos exércitos, o estilo chegou às ruas no final da década de 30 e nos anos 40. Devido às restrições da guerra e à necessidade de praticidade e conforto pra encarar uma nova frente de trabalho nas fábricas, as mulheres passaram a adotar roupas que remetiam às fardas. Nos anos 60, o estilo retorna com força, agora também refletido nos excedentes de exércitos. O militar e seus matizes são referências eternas para os designers de moda.

MILTIFILAMENTO: Termo aplicado às fibras sintéticas que possuem muitos filamentos finos. Por exemplo, um fio 150 denier com 40 filamentos é considerado um fio normal, mas um fio 150 denier com 90 filamentos é considerado um fio multifilamento.

MINIMALISTA: É o simples, o básico, que procuro no mínimo, se tornar o máximo.

MINIMALISMO: Refere-se ao visual mais limpo, com cores neutras e formas sem muitos detalhes.

MINISSAIA: Saia com comprimento um pouco acima da metade da perna, entre os joelhos e o início das coxas.

MIX & MATCH: Mistura de estampas, cores e texturas em harmonia no mesmo look.

MOCASSIM: Calçado de couro simples, salto baixo, com poucos detalhes e costura aparente.

MODELAGEM: Execução do molde ou modelo em papel ou tecido a partir do qual uma peça de costura será reproduzida. Depois que a roupa está pronta, o termo também serve para descrever suas formas.

MOULAGE (lê-se “mulage”): Técnica em que a roupa é modelada diretamente no corpo e só depois o corte definitivo é feito no tecido.

MULE: Calçado de saltos altos coberto apenas na parte da frente.

MUSSELINA: Tecido de algodão muito fino, leve e transparente.

N

NAVY (lê-se “neivi”):  Foi Coco Chanel quem imortalizou o estilo Navy no início dos anos 20. Desde então, o estilo inspirado em referências náuticas é símbolo de elegância. Em inglês significa Marinha (uma das três forças armadas), mas na moda dá nome ao estilo de roupa inspirado nas fardas dos uniformes.

NEOPRENE: Material sintético usado em roupas de surfe.

NORMCORE: O termo surgiu nas ruas de São Francisco, nos Estados Unidos, para identificar não apenas uma forma casual de se vestir, mas, também, uma atitude autêntica de viver a vida, sem se preocupar com modismos ou marcas famosas. E é a combinação das palavras ‘normal’ e ‘hardcore’.

O

OBI: Faixa de tecido larga usada na altura da cintura para complementar quimonos.

OFF-WHITE: Cor um pouco mais “suja” do que o branco. É parecido com o creme, mas um pouco mais branco.

OLHO DE PERDIZ: Desenho que reproduz um pequeno efeito geométrico que lembra o olho desta ave.

OMBREIRAS: Pequenas almofadas feitas de algodão ou espuma que são costuradas por dentro dos ombros de blusas, casacos, jaquetas ou paletós.

ORGANZA: Tecido originalmente produzido em seda, caracterizado pelas fibras de filamentos contínuos que resultam em um material leve e transparente. Sua origem é incerta, mas algumas fontes afirmam que a palavra entrou nas línguas francesa e italiana durante a Idade Média como “organsin” e “organzano”, respectivamente, em homenagem a cidade de Urgang no Turquistão, que abrigava um famoso mercado de seda. Atualmente, também é produzido com algodão ou fibras sintéticas.

OVERSIZED: Em inglês significa tamanho grande, fora de proporções. Na moda o termo é usado para definir um tipo de calça jeans bem larga, como se fosse um tamanho acima do ideal.

OXFORD: O nome nasceu para identificar uma bota curta usada na Inglaterra no século XVII. As calças dos calouros da Universidade de Oxford em 1920 foi dado o mesmo nome. O nome também já foi usado a um tecido de classe alta, próprio para camisaria, onde o urdume é de fio branco e a trama de fio tinto, resultando um efeito mescla.

P

PAETÊ: Pequeno aviamento redondo com brilho e de diversos tamanhos.

PALA: É a um pedaço de tecido que sustenta a parte maior da peça. Exemplo: nas camisas fica entre os ombros, em uma saia fica entre o quadril e a cintura.

PANAMÁ: Nome fantasia para tecido em construção de tela 1×1. Também define um tipo de chapéu de palha clara, muito flexível, que ficou conhecido graças ao presidente Roosevelt, na década de 30. O nome panamá é também um tecido de sarja leve usado na confecção de calças, camisas e blazers masculinos.

PANTALONA: Ver “calça pantalona”.

PAREÔ: Espécie de canga. É um pedaço de tecido estampado, que pode ser amarrado no corpo de diversas formas.

PARKA: Casaco com capuz, de comprimento até as coxas, fechamento e bolsos frontais e cadarços que passam por uma bainha na cintura.

PASSAMANARIA:Trabalho feito por passamanes, que são fitas, franjas ou bordados.

PASSANTE: Parte da cintura de uma calça ou bermuda em são presos os cintos.

PATCHWORK: Artesanato que une pedaços de tecido de diferentes formas, cores e estampas.

PEEP TOE:  Do inglês “dedão do pé”. Sapato com abertura na parte da frente, deixando alguns dedos à mostra.

PELERINE: Capa rodada, curta ou até a cintura, com ou sem capuz. Significa peregrino em português, o termo saiu de “pèlerin”, que eram os jovens viajantes franceses. É usado em lã e pele pelas mulheres e na Europa faz parte da farda de policiais.

PEPLUM: Consiste em um babado (ou prega) localizado na região do quadril ou final da cintura. A proposta é inspirada no New Look de Dior, criado nos anos 1950. Geralmente, vem aplicado em saias bem justas, estilo lápis, ou em blusas, mas os vestidos também podem trazer esse detalhe. Pode ainda ser comercializado como item individual, para ser aplicado sobre qualquer peça.

PERFECTO: Ver “jaqueta perfecto”.

PIED-DE-POULE: Em francês, pé-de-galinha. Tecido em fio tinto e armação tafetá, em que se dispõe a quatro fios claros seguido de quatro fios escuros, formando um xadrez pequeno que se assemelha ao rastro deixado pelo pé de galinha.

PLATAFORMA: Sola grossa e inteiriça que teria sido criada, nos anos 30, por Carmen Miranda, que estava em busca de conforto e alguns centímetros a mais para o seu exíguo 1m52cm. Ela pediu a um sapateiro carioca para fazer o modelo. Alguns biógrafos, como Ruy Castro, afirmam que a autoria não foi confirmada porque a pequena notável não patenteou a invenção. O certo é que a plataforma esteve em moda em quase todas as décadas a partir de então, principalmente nos anos 40 e 60. É um dos saltos preferidos da brasileira.

PLUSH: Malha de algodão, macia ao toque, com textura de felpas aveludadas.

POÁ: Estampa de bolinhas.

POLAINAS: Peças de tricô ou malha que cobrem desde a metade da perna até abaixo dos calcanhares.

POLIAMIDA: Foi a primeira fibra sintética criada pelo homem. Tem como características a alta resistência a lavagem, resiste ao amarrotamento, baixa absorção de umidade, toque agradável. A grande vantagem da poliamidaem relação ao poliéster é o toque mais macio e melhor transpiração.

POLIÉSTER: Fibra sintética muito usada com freqüência em confecção devido suas características de não amarrotar, não deformar, e secar rapidamente. Foi lançada em 1941.

PÓLO: Camisa de malha de piquê (que tem dois panos sobrepostos e ligados) de algodão, mangas curtas e gola virada para fora.

PONCHO: Pedaço quadrado ou retangular de tecido de lã com uma abertura no centro para a cabeça. É usado reta ou diagonalmente, originário da América do Sul. Tornou-se popular nos Estados Unidos no final da década de 40 e logo depois  se espalhou para a Europa. A moda étncia do final dos anos 60 resgatou a peça, que retorna a cada movimento folk das passarelas.

PREGA: Dobra feita no tecido para dar à roupa a forma desejada.

PRÊT-À-PORTER: É a expressão francesa para o inglês ready-to-wear. Traduz o conceito de moda pronta para vestir que surgiu nos anos 50 e foi responsável dela difusão da moda. A partir de então, passou a ser possível criar roupas em grande escala industrial com melhor qualidade, oferecer uma grande praticidade, além da variedade não só de estilos, mas também de preço e tendências. Os desfiles de prêt-à-porter, que apresentam coleções de grandes nomes desde os anos 70, movimentam o chamado planeta fashion, com semanas de moda nas principais capitais do mundo: Nova York, Londres, Milão e Paris.

PULL: Vestido que é uma espécie de blusão longo, solto no corpo.

PULÔVER: Malha de tricô com decote V e sem mangas.

Q

QUEPE: Boné usado por militares

QUIMONO: Roupa tradicional da China e do Japão, normalmente usada em festas ou ocasiões especiais.

R

REATIVAS: Corantes que reagem ao lançar-se com a fibra, por efeito da temperatura. As cores obtidas são brilhantes.

READY-TO-WEAR: Ou prêt-à-porter, são coleções ‘prontas para usar’, com peças idealizadas para o dia a dia, diferentemente da alta-costura.

REBITE: Haste de metal que é encaixada em um furo da roupa para prendê-la.

RENDA GUIPURE: Também chamada de guipir, gripir ou gripier, é uma renda de linho ou seda com motivos de relevo, que formam arabescos. A renda guipure tem visual mais robusto e é considerada a mais nobre das rendas.

RETORCIDO: Fio formado por dois ou mais cabos, de cores iguais ou diferentes, retorcidos entre si.

RESORT: Coleção lançada antes dos desfiles de primavera/ verão.

RETRÔ: Em francês, a palavra significa antiquado. Em português, a expressão é usada para definir um estilo de roupa característico de alguma época passada que tenha voltado à moda.

RISCA DE GIZ: Nome dado a um tipo de padronagem comum no guarda roupa masculino. Normalmente de fundo escuro, cortado por finíssimas listras.

S

SAIA EVASÊ: Modelo ligeiramente aberto na parte inferior.

SAIA GODÊ: É cortada em tecido enviesado e tem caimento solto e ondulado.

SAIA-ENVELOPE: Tipo de saia com transpasse frontal ou lateral.

SALTO ANABELA: Começa alto no calcanhar e vai diminuindo, até ficar sem salto na parte da frente do pé.

SALTO AGULHA: Também conhecido como stileto, agulha ou espigão, é um salto altocom uma estrutura longa e delgada com um espigão de metal no interior, semelhante a um pilar ou coluna. O stileto foi criado nos anos 50. Alguns atribuem a concepção a Salvatore Ferragamo, outros a Albanese de Roma ou a Dal Có, que apresentaram modelos de saltos agulha por volta de 1953, na Itália. Entretanto, a maioria dos historiadores acredita que foi o designer francês Roger Vivier que, em Paris, desenvolveu o primeiro modelo.

SAPATÊNIS: Peça que une as características de um sapato e de um tênis. Pode ser de couro, brim ou borracha e pode ou não ter fechamento com cordões.

SAPATO BONECA: Calçado com bico arredondado e alça sobre o peito do pé, com ou sem salto.

SAPATO BOYISH: O mesmo que oxford, sapato feminino de amarrar que imita o modelo masculino de couro.

SÁRI: Traje usado por mulheres indianas que é feito por uma longa peça de pano que é amarrado na cintura e tem comprimento até os pés.

SARJA: Tipo de construção de ligação do tecido plano, no qual os fios de urdume produzem o efeito diagonal. Tecido prático e versátil apresenta um excelente caimento, um ótimo aspecto após a lavagem, e ideal para qualquer clima. É mais utilizada por amarrotar menos que a tela.

SARUEL: Modelo de bermuda ou calça com o cavalo baixo.

SCARPIN/ESCARPIM: Do italiano antigo germânico scharpf, “agudo, com borda cortante, pontudo”. O scapin tem bico fino, arredondado ou quadrado, e deve ter salto de no mínimo quatro centímetros. Quando o salto for maior que 10 centímetros é chamado de stiletto.

SHAPE: É a forma, a silhueta da roupa. Pode ser um shape mais largo, mais sequinho, ajustado ao corpo, mais moderno ou clássico.

SMOKING: Traje masculino usado em eventos black-tie que é composto por calça preta com faixa acetinada nas laterais, paletó com lapelas pretas em tecido acetinado, camisa branca, faixa na cintura e gravata borboleta pretas.

SOBREPOSIÇÃO: Uso de uma peça por cima da outra, com todas aparentes.

SOBRETUDO: Casaco pesado com comprimento até a altura da panturrilha.

SPENCER: Casaco curto, na altura da cintura, de mangas longas, que pode ter abotoamento simples, duplo ou triplo. A peça originou-se na Inglaterra e seu nome é uma homenagem ao Lorde Spencer, que usava fraque redingote e um dia acidentalmente incendiou-se em uma lareira, sobrando apenas a parte superior. O traje queimado virou moda. Entrou no vestuário feminino em 1790.

SPOTLIGHTING: A técnica do spotlighting coloca um holofote em uma única peça em um look que é, no geral, mais simples e básico. Como por exemplo, um look todo trabalhado no cinza e uma bolsa vermelha.

STRASS: Pequeno brilho que reproduz o efeito de um diamante. O nome é patenteado pela Swarovski.

STREETWEAR: Do inglês street (rua) wear (usar). Termo usado para determinar o estilo jovem do final do século XX, com conceitos irreverentes e inovadores.

STRETCH: Qualidade elástica de tecidos que tenham fios de elastano em sua composição.

STYLIST: Palavra em inglês que dá nome aos profissionais que definem a imagem de um desfile, catálogo ou editorial de moda. Ele sugere as peças e ajuda a coordená-las e definir a maquiagem e o cabelo que vão acompanhá-las.

SUÉTER: Malha de tricô com decote em V.

SUSPENSÓRIO: Acessório que tem duas tiras paralelas na parte da frente, que se unem em formato de Y atrás. É preso no cós da calça, tanto na frente quanto atrás.

T

TAFETÁ: Tecido brilhante fabricado a partir de fios de seda.

TAILLEUR (lê-se “taiêr”): Conjunto feminino de saia e casaco ou calça e casaco (este, também conhecido como costume).

TARTÃ: Tecido de trama fechada originário da Escócia, onde padrões diferentes são usados para identificar os clãs. O tecido possui listras coloridas que se cruzam, criando desenhos em xadrez de várias larguras.

TECIDO PLANO: Aquele que não estica, como a sarja e a seda.

TELA: Os fios da trama e do urdume se entrecruzam alternadamente. É uma construção de ligação do tecido plano,  caracterizada pela simetria da distribuição dos fios na proporção 1 fio por 1 fio (entre urdume e trama). Esta construção em tela plana proporciona uma superfície plana e regular.

TERNO: Conjunto obrigatoriamente formado por paletó, colete e calça. Uma roupa intimamente ligada à idéia de poder.

TIE-DYE (lê-se “tái-dái”): Estampa caseira com tingimento irregular, obtida por meio de nós feitos no tecido, que depois é mergulhado em tinta.

TORÇÃO: É o número de voltas dado ao fio em torno de seu próprio eixo. Ela é dada ao fio para coesão às fibras e conseqüentemente a resistência.

TON SUR TON: Em francês significa tom sobre tom, ou seja, uma união de diferentes tons da mesma cor usados um sobre o outro, ou próximos.

TOP CROPPED: Top curto, que acaba logo após o peito e deixa o abdômen à mostra.

TRAMA: Série de fios em sentido horizontal que, ao unir-se com os fios do urdume, forma o tecido plano.

TRANSPASSADO: Efeito de cruzar uma parte do tecido de uma blusa ou vestido sobre a outra.

TRAPÉZIO: Lançado por Yves Saint-Laurent em 1958, o trapézio, quadrilátero com dois paralelos,  era uma peça com forma de tenda ampla e rodada que chegava aos joelhos. As costas do vestido eram cortadas de modo a cair livremente a partir dos ombros, como uma linha A mais ampla. Elegante, o trapézio veste bem a maioria das silhuetas.

TRENCH COAT: Do inglês, significa “casaco de trincheira”. É um modelo de casaco de modelagem ampla, fenda e pala larga na parte de trás, tiras com fivelas nos punhos, aba abotoada, bolsos fechados e cinto.

TRENDSETTER: Quem ou o que lança tendências.

TRICOLINE: Tecido de armação tafetá, produzido com fios finos 100% algodão. É a base da camisaria de boa qualidade, seja lisa, listrada+-s ou xadrezes.

T-SHIRT: As camisetas são chamadas de T-shirt por causa do seu formato, nome dado pelos americanos. Peça de roupa para o tronco, em algodão, em formato de T, com mangas curtas, que serviam para serem usadas por baixo da farda durante a Primeira Guerra Mundial. Mais tarde foi adotada por trabalhadores operários. O ocidente adotou a camiseta como moda na década de 60, com logotipos, piadas, slogans, entre outros.

TÚNICA: Veste ampla, longa, reta, com ou sem mangas.

TUXEDO: Traje black tie tradicionalmente composto por calça preta com faixa acetinada nas laterais, paletó com lapelas pretas de tecido acetinado e camisa branca. Também pode ser chamado de smoking.

TWEED (lê-se “tuid”): Do inglês, tecido rústico de lã, com vários padrões e cores. O fio tweed é um tipo de boutonne com bolinhas coloridas. É um tecido de textura áspera, em va´rios padrões coloridos. O nome se originou de River Tweed, centro cooperativista de tecelagens escocesas. Usado especialmente no inverno.

U

URDUME: Série de fios em sentido longitudinal que ao unir-se com os fios de trama formam o tecido plano. É a estrutura vertical do tecido que dá suporte e resistência a tela.

UNDERWEAR: Roupa íntima.

V

VELCRO: Marca registrada que dá nome ao sistema de fechamento de roupas em que as duas partes que devem ser presas são grudadas.

VELUDO: Tecido natural ou sintético que tem um lado liso e o outro coberto por pelos curtos e bem fechados.

VERNIZ: Material brilhante e impermeável usado para fazer sapatos, bolsas e cintos.

VIÉS: Linha ou peça de tecido cortado na diagonal.

VICKY: É um tecido com fios tintos, em xadrezes de tamanhos diferente. O xadrez vichy foi popular para vestidos de verão durante o século 19 e entrou em moda a partir das décadas de 40 e 50.

VINTAGE: Adjetivo que faz referência à moda de épocas passadas.

VISCOELASTANO: Tecido opaco que absorve o calor e se molda facilmente ao corpo.

VISCOSE: Fibra de celulose com que são feitos tecidos pesados, absorventes e com toque frio.

VOIL (lê-se “voal”): Tecido leve e transparente feito com algodão.

W

WRAP DRESS: Criado pela estilista Diane Von Furstenberg na década de 70, o também conhecido por ‘vestido envelope’ virou febre entre as mulheres por ser democrático, de adaptando a qualquer tipi de corpo. É transpassado na frente e preso por duas tiras laterais, que formam um laço e se ajusta muito bem ao corpo.

X

XADREZ: Estampa composta por quadrados alternados em cores diferentes.

XADREZ VICHY: Xadrez de duas cores composto por quadrados que não se encontram.

XALE: Peça quadrada ou retangular que envolve as costas.

XANTUNGUE (ou shantung): Tecido fino de seda que tem textura irregular.