Empoderamento Feminino

Frida Kahlo: Conheça A Mulher Ícone Do Feminismo

Frida Kahlo em estampas de bolsas, T-shirts e vestidos, em quadros, fantasias, editoriais de moda… Frida por todo o canto! Que lindo ver essa mulher maravilhosa, ícone do feminismo, ganhando cada vez mais visibilidade, mesmo após 62 anos de sua morte.

Mas, sabe, de fato, quem foi ela? Sua biografia, obras ou ideais? Vos apresento, Frida Kahlo!

FRIDA KAHLO: BIOGRAFIA e obras

Vírgula Uol
Vírgula Uol

Frida Kahlo nasceu no México, em 6 de julho de 1907 e faleceu em 13 de julho de 1954. Em seus 47 anos de vida, foi pintora e militante do partido comunista mexicano. Sofreu muito e foi na pintura que encontrou o refúgio para sua história tão amarga.

Aos 18 anos passou por um acidente que lhe resultou no rompimento da sua coluna em três lugares, além de vários ossos fraturados e hemorragia. Frida ficou meses entre a vida e a morte no hospital, passando por diversas cirurgias para reconstruir seu corpo.

Além disso, passou muito tempo de cama em casa, engessada, com mobilidade inexistente/limitada. Embora seu pai fosse pintor, foi só nesse momento em que Frida começou a pintar (usando as tintas do pai e um cavalete adaptado à cama que ganhou dele).

Aos 22 anos, conheceu Diego Rivera, um muralista, com quem se casou e teve um casamento de 25 anos, tumultuado pelas personalidades fortes dos dois e principalmente pelo comportamento infiel e abusivo de Rivera (que a traía com sua irmã mais nova e outras mulheres). Frida também sofreu com abortos devido às sequelas de seu acidente.

Imagem Proa
Imagem: Proa

Essas dores, principalmente as da alma, são temas constantes nas pinturas de Frida. Seus quadros, embora surrealistas, contam muito da sua realidade e representam todo o sofrimento pelo qual passou.

Algumas obras de Frida Kahlo

Suas obras tiveram grande reconhecimento internacional ainda quando a artista estava viva. É uma das pintoras mais prestigiadas do mercado internacional de arte. A artista fazia nas telas autorretratos, cheios de signos e símbolos, que revelavam momentos da sua vida e sentimentos da sua alma.

“Eu pinto-me porque sou o assunto que conheço melhor” – Frida Kahlo

1 – FRIDA E DIEGO(1931)

Imagem: Collective Feelings
Imagem: Collective Feelings

2 – HOSPITAL HENRY FORD OU A CAMA VOADORA (1932)

Imagem: Artefato Cultural
Imagem: Artefato Cultural

3 – As Duas Fridas (1939)

Imagem: FFW
Imagem: FFW

4 – A coluna partida (1944)

Imagem: Loucos e Santos
Imagem: Loucos e Santos

Frida Kahlo, símbolo feminista: Por que?

Frida não pintava sobre o feminismo em si.  Durante muito tempo desempenhou o tradicional papel da mulher submissa, casada e do lar, vivendo à sombra do marido, sem dedicar-se à carreira como pintora talentosa que era. Aguentou as traições de Rivera, divorciando-se mas voltando a casar-se com ele.

Por que Frida se tornou um símbolo feminista e de liberdade, então? Por diversos motivos:

1 – Frida quebrou tabus

Exótica e excêntrica, Frida Kalho quebrou tabus contrariando a expectativa da família, da sua mãe mais especificamente, casando com Diego, um homem de ideal político, religião e estética diferentes do esperado por essa.

Aliás, desde nova Frida gostava de quebrar tabus. Essa é uma fotografia dela com a família em que já se pode perceber sua genialidade forte e marcante. Ela apareceu vestindo um traje masculino para fotografar e manteve uma postura completamente diferente das que as mulheres assumiam na época.

Imagem: Bust
Imagem: Bust

Frida também era bissexual. Depois das traições de Rivera, principalmente, ela passou a ter relações extraconjugais com mulheres. Diego tinha conhecimento e aceitava.

2 – Não se importava com padrões estéticos

Frida Kahlo é extremamente conhecida por sua “monocelha” e por seus pelos salientes no busso. Além disso, ela não tinha o corpo saudável e idealizado pela sociedade na época. Ela não se encaixava nos padrões estéticos, sabia disso e não fazia questão alguma de se encaixar!

Imagem: Pinterest
Imagem: Pinterest

Recordo vagamente, sem informações sobre a fonte, do relato de uma mãe: sua filha nasceu com bastante pelos e sofria na escola com as brincadeiras dos coleguinhas por causa de suas sobrancelhas e busso. Ela pedia à mãe, desde muito novinha, para se depilar. A mãe, ao invés de simplesmente incutir na filha a obrigação e o peso do padrão estético que nos é imposto desde muito novas, apresentou a ela Frida Kahlo, suas sobrancelhas e seu trabalho incrível.

Resultado: a menina passou a se inspirar na artista e a se autoafirmar e se valorizar com a identificação que teve com a pintora. Representatividade importa! E Frida foi inspiradora e crucial na vida dessa criança. Não é lindo esse empoderamento?

3 – A vestimenta Tehuana de frida

Frida tinha uma vestimenta tehuana, típica de mulheres mexicanas que carregavam a reputação por sua independência econômica e pessoal. Mesmo nas suas viagens para outros países, onde sua vestimenta era exótica, ela manteve sua expressão identitária através das roupas.

Imagem: Pinterest
Imagem: Pinterest

4 – destacou-se no meio artístico como reconhecida pintora

Ainda enfrentamos extrema dificuldade em nos destacarmos no mercado profissional, devido à desigualdade com que os gêneros são tratados. Homens recebem mais do uma mulher no mesmo cargo e com a mesma qualificação. Agora, imagine na época de Frida!

Ainda assim, a artista conquistou o seu espaço e destacou-se em seu meio, em que o trabalho de homens era mais valorizado e, naturalmente, prevalecia. Muito da visibilidade das obras de Frida foi reflexo do esforço/apoio das feministas da segunda onda feminista (entre os anos de 60 e 70) em divulgar seu trabalho.

O interessante é que, mesmo sendo reconhecida e renomada pintora, Frida não alcançou uma representatividade tão grande comparando aos homens. E esse nada mais é do que um reflexo do machismo também no mundo das artes.

Viva, Frida, em todas nós!

VIVA, FRIDA! Viva em mim, na menina que não atende ao padrão estético e na mulher que não pode ser mãe ou simplesmente não o quer. Viva na mulher que precisa enfrentar um mercado de trabalho que valoriza mais o homem e na mulher que ama e se relaciona também com outras mulheres.

Viva naquelas que não têm o corpo saudável, que possuem limitações físicas mas mesmo assim se superam dia a dia. Viva na mulher, que além de sofrer por isso, sofre por ser negra. Viva, Frida, em todas nós com tua força, audácia e paixão!

20 anos. Gaúcha, webwriter e futura publicitária. Louca por desafios, intensa e impaciente. Ama muito, odeia muito. Às vezes, ao mesmo tempo. Acredita que o amor, principalmente o próprio, supera tudo. |
Instagram: @brutesch

25 thoughts on “Frida Kahlo: Conheça A Mulher Ícone Do Feminismo”

  1. Amei muito ! Esse seu post me ajudou pra caramba. Eu sou feminista e sempre adorei a imagem da Frida e sabia que ela foi alguém importante na “cultura” feminista(digamos assim), mas nunca soube exatamente o porque. Agora que sei, a amo ainda mais !!! Valeu mesmo. ^^ <3 <3 <3

  2. Continuo sem entender essa “importância” toda, ela apenas deixava os pelos crescer, ficava com mulheres, tinha casamento liberal, pintava a se própria, sofreu um acidente… Conseguiu se recuperar… Mas quantas pessoas meu deus, não possam por coisas piores e vivem bem pior até na mesma época, e nem se quer são lembrados… Achei e acho muito sem grande coisa a história dela… Não me representa em nada!

    1. Irena, nem sempre o que é representativo para as outras é pra gente. Te entendo e respeito perfeitamente! Escrevi o texto com o intuito de explicar por que ela é considerada um ícone do movimento por muitas. Mas isso não legitima ser a única representação feminina do movimento, nem que é mais importante do que outras mulheres que superaram diversas adversidades e “empeitaram” imposições sociais. Obrigada pela contribuição! Volte sempre, essa discussão e reflexão é sempre saudável!

  3. Sinceramente, com tantas mulheres que podiam se tornar ícones do feminismo, a Frida não é a melhor escolha… ela podia ser uma mulher forte e resiliente, mas como mulher empoderada deixou muuuito a desejar…..

    1. Danny, obrigada por ler e opinar. Acho importante só relembrar que não estamos legitimando-a como um único ícone feminista, até porque isso seria abafar outros perfis de grandes mulheres que nos representam. O texto explica por que ela é considerada um ícone do movimento por muitas!

  4. não sou mulher é talvez isso deslegitime meu comentário, mas poxa chega ser decepcionante é até confuso a importância que deram a Frida tudo bem ela passou por varias dificuldades e soube lidar com elas porém isso já acontecia e acontece ainda com diversas pessoas e eles não são ovacionados e nem se tornam bandeiras, serio que isso a torna um ícone? é Joana Darc, que foi onde nenhuma mulher tinha antes ido morreu pelos seus ideais não é nem citada, e Maria Quitéria saiu de casa mesmo sem seu pai concordar foi deserdada por essa atitude lutou com portugueses num rio com água ate o troco inspirou varias mulheres na época a lutarem na guerra inclusive muitas delas dando a própria vida ela nem e citada sinceramente decepicionate

    1. Oi, Thomas! Eu entendo seu questionamento e ponto de vista. Eu mesma sempre crio contraposições para os argumentos e ideias que tenho, porque isso me ajuda a refletir e deslocar minha visão. A gente amadurece mesmo. Acontece que são várias vertentes e recortes no feminismo. Ele se manifesta de várias formas. Minha ideia era criar uma sequência de postagens sobre diversas mulheres tidas como ícones feministas e ainda outras pouco conhecidas para que todos pudéssemos crescer em conjunto e expandir nosso repertório. Só não continuei pela falta de tempo! 🙁 Mas a sua menção à Maria Quitéria e Joana Darc são ótimas, é esse o espírito mesmo. Essa diversidade é importante porque para cada mulher uma dessas personalidades vai funcionar melhor, gerar mais identificação. Obrigada pelo comentário. Ele agrega à discussão. Espero ver você mais por aqui. Continue refletindo e se inteirando na temática. Para uma sociedade mais justa, precisamos de homens com esse perfil! Beijão

  5. Eu acho que são várias as lutas feministas. Apesar da Frida ter vivido um padrão de casamento criticado e não aceito por muitas hoje, ele representou o feminismo nas quebras de tabus, por exemplo, de querer e ser feia sem se importar com a opinião dos outros, de se vestir diferente sem a importar com a opinião dos outros, de ficar com outras mulheres, até mesmo com mulheres que o marido tinha ficado.
    São várias vertendes no mundo feminista, inclusive as vertendes em que mulheres seguem padrões de costumes patriarcal como donas de casas, e de se manterem belas, mas lutavam para quebrar padrões na qual as excluiam da vida política, desde que o sufrágio era proibido.

    1. Exatamente! Obrigada pelo comentário explicativo, Paula! 🙂 São várias vertentes, recortes e o feminismo se manifesta de várias formas. Minha ideia era criar uma sequência de postagens sobre diversas mulheres tidas como ícones feministas e ainda outras pouco conhecidas. Só não continuei pela falta de tempo! 🙁

  6. Bem, um tempo atrás eu fui em um bazar organizado por umas mulheres feministas e no meio da conversa uma delas falou alguma coisa sobre Frida Kahlo, mas deixei passar. Alguns dias agora vi uma na estampa de uma blusa da minha professora da universidade uma mulher e por algum motivo eu achei que era a mesma pessoa de quem as meninas do bazar falava. Então resolvi pesquisar sobre quem foi Frida Kahlo e pq ela era tão importante para essas mulheres em contexto diferente. E sinceramente eu estou muito feliz por saber um pouco mais sobre essas pessoas que superou inúmeros problemas e manteve sua personalidade acima de tudo. Obrigado por essas informações tão preciosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.